Pilates e Pessao Alta

Com o desenvolvimento tecnológico, novos hábitos e o stress gerado pela rotina diária, a vida se transformou em uma verdadeira corrida de alta velocidade, com obstáculos a serem traspostos, curvas cada vez mais perigosas e com consequências, por vezes, desastrosas.

Esse ritmo intenso é acompanhado pelo surgimento de doenças e até mesmo pelo aumento da prevalência de velhas conhecidas, como a hipertensão.

Popularmente conhecida como pressão alta, a doença é caracterizada pela pressão arterial igual ou maior de 14 por 9. Essa elevação ocorre por diversos motivos, mas principalmente quando os vasos sanguíneos se contraem, e o stress tem papel fundamental nesses quadros.

Panorama da hipertensão no Brasil

Ela não distingue homens de mulheres, ricos de pobres, nem raça ou idade. A hipertensão é uma doença democrática e acomete uma em cada quatro pessoas adultas. Somente no Brasil, aproximadamente 25% da população adulta sofre com a pressão alta, e após os 60 anos de idade, essa prevalência sobe para 50%.

As consequências da hipertensão

Os grande perigo para quem sofre com pressão alta são as consequências da doença. Os vasos sanguíneos possuem uma camada interna bastante fina, que sofre lesões quando o sangue circula com uma pressão elevada, o que pode causar um endurecimento e estreitamento dos mesmos, que contribuem para possíveis entupimentos e rompimentos. As consequências desses quadros são variados de acordo com o órgão que for afetado. No cérebro, por exemplo, a pressão alta é responsável por 80% dos acidentes vasculares cerebrais. Dentre os infartos, por sua vez, 40% estão relacionados à hipertensão e 25% do total de casos de insuficiência renal acontecem pela mesma razão.

O que fazer para controlar a pressão alta?

Em 90% dos casos de hipertensão, há uma herança genética, mas existem outros fatores de risco que influenciam os níveis de pressão arterial, como o fumo, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, obesidade, níveis altos de colesterol, diabetes e, um em especial, essencial para o controle da pressão: a falta de atividade física.

Como o pilates ajuda os pacientes que têm hipertensão?

Apesar de ser uma doença crônica, e sem cura, ela pode, e deve, ser controlada. E aí, não tem jeito: você precisa mudar seus hábitos e ter uma vida mais regulada, em prol da sua saúde. A prática de exercícios atua diretamente na frequência cardíaca e pressão arterial do indivíduo, e o pilates, por ter baixo impacto e proporcionar força, flexibilidade, e disposição, é altamente recomendado para quem sofre com hipertensão.

Por ter repetições do mesmo exercício, o pilates trabalha com a respiração, o que ajuda no relaxamento muscular e alívio de tensões. É importante que a atividade seja sempre orientada por um profissional para que todos os limites do aluno sejam respeitados, e ele possa colher todos os benefícios da prática.

Viu como o Pilates é fantástico para quem busca, em conjunto com o tratamento médico, estabilizar os níveis de pressão?

E você, sofre com a hipertensão e ficou com alguma dúvida sobre a prática? Escreva pra gente pelos comentários.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reserve sua aula gratuita!

Agendar Agora

Seja um franqueado!

Saiba mais