Pilates na reabilitação

O Pilates proporciona diversos benefícios para os seus praticantes, inclusive existem diversas razões pelas quais as pessoas buscam pela prática do método. Seja para conquistar a boa forma, complementar um treinamento ou esporte, praticar uma atividade física em uma determinada fase da vida (gestação ou terceira idade, por exemplo) ou até mesmo pela busca de uma prática diferenciada, o fato é que dentre as diversas razões, a reabilitação está entre as principais.

Muitas pessoas buscam o Pilates como tratamento para lesões e pós-cirurgias, de modo a melhorarem seus quadros clínicos conforme vão evoluindo nas aulas.

Mas afinal, como o meu estúdio pode ganhar em qualidade na hora de promover aulas voltadas para a reabilitação de pacientes? Confira algumas dicas a seguir:

Respeite os limites das dores de seus pacientes

Durante a prática de Pilates, é fundamental que o instrutor respeite as limitações de cada aluno e se tratando da prática de Pilates voltada para a reabilitação, torna-se ainda mais importante.

Neste caso, os movimentos devem começar de maneira mais leve inicialmente e ir aumentando durante a séria. Caso o paciente note que a dor está aumentando conforme a prática do exercício, então o profissional deverá trocar ou adaptar uma nova série de exercícios.

Descubra onde está o desequilíbrio musculoesquelético

No decorrer dos exercícios onde o aluno realiza movimentos de compensação postural, é comum a existência de desorganização postural, mesmo quando os movimentos estão sendo realizados de maneira adequada.

Neste caso, cabe sempre ao instrutor avaliar e descobrir onde se encontra o desequilíbrio, pois a prática do exercício de maneira irregular poderá levar a uma piora no quadro clínico ou até mesmo promover uma nova lesão.

Vale lembrar também que o profissional deve sempre orientar o paciente/aluno para lhe avisar caso sua dor esteja piorando ao longo das sessões.

Desenvolva movimentos fisiológicos da coluna vertebral

Manter os movimentos fisiológicos é de grande importância para a evolução de um aluno em fase de reabilitação. Portanto, quando se trabalha a partir deste princípio é possível promover o fortalecimento muscular, a flexibilidade articular e a aptidão física.

Vá além da dor do paciente

Um erro muito comum cometido por diversos profissionais de Pilates é focar exclusivamente na dor do paciente, ou seja, se o aluno chega ao estúdio com dores no ombro, o profissional acaba focando apenas em trabalhar a musculatura do local da dor.

Neste caso, o profissional deve sempre olhar para o corpo um todo, pois em muitos casos, uma lesão pode ser ocasionada por um problema localizado em outra parte do corpo como, por exemplo, a falta de mobilidade no quadril que pode afetar os ombros ou desequilíbrio na região lombar que pode afetar as pernas.

Discipline o seu aluno

Buscar pela reabilitação no Pilates deve exigir o mesmo nível de disciplina de um paciente que toma um medicamento para consegui obter melhoras. E neste caso, cabe ao instrutor disciplinar e manter o aluno motivado para a prática do Pilates. Assim, para que a reabilitação seja eficiente, é necessário que o aluno:

  • Respeite os princípios do método Pilates;
  • Realize o número adequado de repetições;
  • Respeite os limites de carga dentro e fora das aulas;
  • Respeite a frequência de aula;
  • Seja pontual para que a reabilitação corra dentro da rotina planejada no ambiente de aula.

Instrua quanto à prevenção de acidentes

Grande parte dos problemas que ocasionam contusões e demais lesões são causados por algum tipo de desequilíbrio muscular. Sendo, assim, é importante que você oriente sempre seus alunos sobre os fatores externos que podem prejudicá-los. Caso contrário, o tratamento poderá ser ineficaz, pois se o aluno passar poucas horas de reabilitação durante a semana com o método Pilates, e em muitas outras apenas agravando o desequilíbrio, com certeza a prática do Pilates não será efetiva.

Local de trabalho, movimentos incorretos durante a prática de um esporte, levantamento incorreto de peso e hábitos irregulares são alguns dos fatores que devem ser incluídos ao orientar seus alunos/pacientes.

 

Não há como negar que a prática do Pilates tende a proporcionar diversos benefícios para os seus praticantes. Contudo, quem administra o estúdio deve estar sempre atento à qualidade das aulas, principalmente quando se trata de reabilitação de pacientes que tiveram alguma lesão e/ou passaram por alguma cirurgia.

Vale destacar que quanto maior for o cuidado e a atenção do profissional, melhor será o progresso de reabilitação do aluno e maiores serão as chances dele se tornar um cliente fiel posteriormente.

Gostou das dicas? Continue acompanhando nosso site para obter mais dicas de Pilates!

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reserve sua aula gratuita!

Agendar Agora

Seja um franqueado!

Saiba mais