Prevenindo e combatendo a incontinência urinária com o Pilates

A incontinência urinária é considerada um problema de saúde pública e é definida como: qualquer perda involuntária de urina, exceto em crianças com menos de 5 anos. Pode afetar homens e mulheres, porém a condição afeta mais as mulheres. A prática regular do Método Pilates pode ser uma alternativa para prevenção e tratamento desta condição.

A classificação da Incontinência Urinária é feita em 4 tipos:

  • Incontinência de esforço

A perda de urina ocorre após algum esforço que provoca uma pressão intra-abdominal, como exercício físico, tosse, espirro, gargalhada entre outros.

  • Incontinência de urgência

A perda de urina acontece acompanhada ou um pouco antes de forte vontade de urinar.

  • Incontinência por transbordamento

Vazamento de uma pequena quantidade de urina. Jato urinário fraco, necessidade de se esforçar ao urinar e uma sensação de que a bexiga não está vazia.

  • Incontinência mista

Dois ou mais sintomas de incontinência combinados.

 

A incontinência urinária causa muito constrangimento, desconforto e stress, causando isolamento social e prejudicando a qualidade de vida dos indivíduos. Atualmente atinge mais da metade das mulheres adultas; nos homens a doença associa-se à cirurgia do câncer de próstata, porém pode também ser consequência do envelhecimento. Veja a seguir as causas mais comuns:  

  • Gravidez e parto
  • Doenças que comprimem a bexiga
  • Procedimentos cirúrgicos ou irradiação que lesem os nervos do esfíncter
  • Quadros pulmonares obstrutivos que geram pressão abdominal
  • Bexiga hiperativa
  • Idade
  • Fraqueza na musculatura do assoalho pélvico
  • Câncer de próstata
  • Obesidade
  • Menopausa
  • Disfunção hormonal

(Os idosos e gestantes são os grupos mais propensos a ter incontinência urinária, por este motivo devem praticar de Pilates.)

 

Conhecendo o Assoalho Pélvico

O assoalho pélvico é um grupo de 13 músculos localizados na pelve, chamado também de Musculatura do Assoalho Pélvico (MAP), são responsáveis pela sustentação dos órgãos pélvicos e do feto (durante a gestação), além de absorver e dissipar forças que chegam a esta região. Seu ponto de maior tensão é no períneo. Além da sustentação dos órgãos, o assoalho pélvico é responsável pela continência urinária/fecal e também pelo desempenho sexual.

A MAP fica sobrecarregada durante grande parte do dia, pois além da sustentação dos órgãos pélvicos (e bebê durante a gestação) existe também a força da gravidade e da pressão intra-abdominal (tossir, rir, ou fazer algum exercício físico). Essa sobrecarga é normal e faz com que essa força muscular mantenha os órgãos no lugar, empurrando-os, evitando prolapsos e também faz com que possamos controlar nossas necessidades de urinar e defecar.

Quando a MAP está lesionada ou fraca, ela não consegue contrair e realizar essas funções, podendo gerar uma incontinência urinária (podendo ser também fecal e de flatos) e disfunções sexuais.

Importância do Pilates na Incontinência Urinária

A prática de Pilates é destaque no tratamento e prevenção da incontinência urinária, pois, consiste em uma série de exercícios de baixo impacto que trabalham o corpo de forma harmoniosa, sempre levando em conta as restrições e limites de cada aluno. seus benefícios envolvem ganho de coordenação, força, flexibilidade, equilíbrio, resistência, relaxamento e consciência corporal.

É importante que durante a realização dos exercícios fazer a ativação do “powerhouse” (que inclui a musculatura do assoalho pélvico). Exercícios de alongamento no solo, de tonificação muscular com a bola, de estabilização no barrel, aumentam a força da MAP, promovendo o fechamento uretral por contração, voluntária e involuntária.

Muitas pessoas com incontinência urinária abandonam os exercícios físicos devido à perda de urina durante essas atividades. Para que isso não ocorra deve-se evitar exercícios que geram impacto na bexiga como Jumps (variações que incluem saltos) e a “Manobra de Valsava” (prender a respiração durante o exercício), pois aumentam a pressão abdominal, causando uma sobrecarga sobre a bexiga, resultando na perda de urina.

 

Importante

Os profissionais de Pilates devem fazer uma avaliação prévia de seus alunos para assim elaborar um plano de tratamento mais eficaz e seguro. É importante lembrar que antes de iniciar qualquer método terapêutico o indivíduo deve realizar uma avaliação com o seu urologista. A incontinência urinária é comum e não deve ser negligenciada ou temida, é fácil de ser prevenida ou tratada, principalmente com o método de Pilates.

 

Ainda não pratica Pilates? Fique longe da incontinência urinária agendando uma aula experimental com a gente! Clique – aqui – para saber mais.

Deixe seu comentário

Reserve sua aula gratuita!

Agendar Agora

Seja um franqueado!

Saiba mais